2 de abril de 2018

MEMÓRIA VISUAL DA MARÉ

Em 1980/1981 a antropóloga Clarice Peixoto esteve na Maré realizado pesquisas sobre a Vila do João e a retirada das palafitas da Maré. Neste período a pesquisadora realizou registros fotográficos importantes para a memória visual das favelas da Maré.

Compartilhamos com os leitores da página Maré-RJ algumas destas imagens da Maré dos anos 80. Desde já agradecemos à antropóloga por ceder as imagens para compartilharmos com moradores da Maré.

Pesquisador Francisco Valdean.

As imagens pertencem ao acervo da Antropóloga Clarice Peixoto.








24 de março de 2018

Nova escola de Ensino Médio em tempo integral na Maré


Por Hélio Euclides

Entrou em funcionamento, na Nova Holanda, o Colégio Estadual Professor João Borges de Moraes, com a oferta de Ensino Médio em tempo integral, dando ênfase ao Empreendedorismo Aplicado ao Mundo do Trabalho. O Colégio é uma conquista do Coletivo Maré que Queremos, formado por todas as 16 Associações de Moradores da Maré. Para este ano letivo, foram ofertadas 80 vagas para a 1ª série do Ensino Médio e ainda há oportunidades para quem deseja estudar na Instituição.

Os alunos, Pablo Felipe, Maria Carolina e Deborah estão animados com a meta da nova Escola, que visa o crescimento do cidadão | Foto: Elisângela Leite

Os alunos terão aulas sobre como superar desafios, empreender e abrir negócios, e carga horária adicional em Português, Matemática e Inglês. A iniciativa tem a parceria do Sebrae, que formará os professores da Rede estadual em Empreendedorismo, e do Instituto Ayrton Senna. “Além das disciplinas normais, os alunos farão parte do Núcleo Articulador, que reúne Projeto de Vida, Projeto de Intervenção e Pesquisa, Estudos Orientados e Empreendedorismo”, informa a coordenadora pedagógica Marinalva Velasco.

Por ser o primeiro ano de funcionamento, a Escola passa por alguns ajustes para atender os alunos. “Esse ano a meta é criar duas turmas completas. Os profissionais que atuam aqui são remanescentes do movimento popular, moradores e ex-moradores. Isso enfatiza o compromisso com o direito social à Educação Pública de qualidade para todos”, afirma o diretor Marcelo Belfort.


Uma escola diferente

Os novos alunos se surpreenderam com a meta da nova Escola que, além da questão acadêmica, impulsiona o desejo de crescimento do cidadão. “Os professores nos incentivam a estudar e a desejarmos uma Maré melhor. Nos transformamos em multiplicadores, para levar o que aprendemos aos outros. Nessa Escola entendemos que há violência onde moramos, mas que é necessário um outro olhar, de um lugar de coisas positivas. Essa é a primeira Escola que nos dá força para agir”, afirma a estudante Maria Carolina Nascimento, de 15 anos de idade.
Pablo Felipe, também com 15 anos, não conseguiu vaga em nenhuma escola que queria, e também não desejava estudar à noite, por receio da violência na cidade. Uma amiga de sua mãe recomendou o Colégio da Maré: “no começo, achei muito estudar das 7h às 16h, mas me acostumei. Gostei daqui, pois os professores nos ajudam a pensar, a ser pessoas pensantes”. “Desejamos quebrar o paradigma de que lá fora é melhor, de que aqui é só um novo Colégio. Para isso, temos bons profissionais, o corpo docente formado por 10 professores, que visam refletir o amanhã, que mostram a importância de se apropriar do território, de transformá-lo”, lembra a diretora-adjunta Viviane Couto. Ela explica que o objetivo do Colégio é desenvolver um projeto de gestão coletiva, com alunos, professores, responsáveis, instituições, associação de moradores e equipe gestora.


Três anos de Escola fechada

O Maré de Notícias, na Edição 54, de junho de 2014, noticiava a construção de um colégio estadual. As obras começaram no mesmo ano, mas foram três anos de espera. “A Associação cuidou para não depredarem a Escola, ou virar um condomínio. Para o funcionamento, pedimos ajuda à Redes da Maré e, dessa forma, conseguimos inaugurar”, lembra o presidente da Associação de Moradores de Nova Holanda, Gilmar Rodrigues.

O diretor da Redes da Maré, Edson Diniz, acrescenta que no passado os moradores reivindicavam uma escola de Ensino Médio Integral, desejavam uma opção de boa educação, uma possibilidade para os jovens estudarem próximo de casa: “a parceria da Redes da Maré, Associação de Moradores e Secretaria Estadual de Educação nasceu da necessidade de colocar a Escola para funcionar. Estamos estruturando essa parceria para fortalecer essa Escola, já que muita gente nem a conhece ainda”.


 Minha escola tem um nome

João Borges de Moraes nasceu em Alvinópolis (MG), em 1911. Lecionou em instituições educacionais do Rio de Janeiro e foi diretor do Colégio Lemos Cunha. Em 1989, recebeu da Câmara Municipal o título de Cidadão Carioca.