28 de agosto de 2007

Vídeo da Maré de 1981



Este vídeo mostra um pouco da história da comunidade da Maré, que um dia foi coberta pelas águas da Baia da Guanabara. O processo de habitação do bairro começou nos anos 40 com a construção da Av Brasil, nessa época o Morro do Timbau era a única comunidade de toda a Maré. Mais tarde com a ocupação da área disponível começou a surgir outras comunidades que hoje forma o bairro. As pessoas por não terem onde morar construíram casas de madeiras sobre as águas da Baía de Guanabara. Essas moradias são conhecidas como Palafitas. Nos anos 70 a Maré começou a ser aterrada (Projeto Rio) e as palafitas foram removidas para dar lugar às casas de alvenaria. As primeiras comunidades a receberem o aterro foram: Vila do João e Vilas dos Pinheiros, mais tarde esse aterro se estendeu até a comunidade Baixa do Sapateiro.

Vídeo da Maré de 1981, feito pelo cineasta Sergio Péo.

3 comentários:

Oi Valdean,
Gostaria de trocar idéias sim. Penso em manter contato com alunos e professores do projeto Guias Cívicos para realizarmos outras atividades.Mas ainda não sei como podemos fazer. Lá no Vidigal há uma ONG (chamada Horizonte) que organizou o espaço das aulas e chamou os alunos que participaram do projeto, há a possibilidade de contarmos com ela para outras coisas. Como foi o projeto aí na Maré? Quem organizou? Você ainda mantem contato com o pessoal do projeto?
Grande abraço
Claudio

Pois é, esta exposição do CCBB é muito boa. Parabéns pelas fotos!
O Luiz Felipe (ex-aluno lá do Guias Cívicos,o nome está blog)é fotógrafo, já trabalhou lá no Nós do Morro no Vidigal e atualmente acho que está trabalhando como câmera para um grupo de teatro. Se aí no Observatório de favelas aparecer algum curso ou evento sobre audiovisual dá um toque que eu falo com ele. Infelizmente ele tem pouco acesso a internet porque mesmo na lan house o preço não é muito em conta, aliás a dificuldade de acesso à internet é o problema que faz o blog ter pouca interatividade.
Grande abraço

História viva marcada pela contradição, mas com muita luta.

Estão por aqui