16 de março de 2009

O Bloco

Pelas ruas largas e ruelas estreitas
onde mora nossas vidas o bloco passa
Nas janelas de primeiro, segundo e terceiro
os rostos contemplam o batuque
marcando nosso andar

Em dias de chuva ou de sol,
um antes anunciando, um depois fechando
O bloco sai pelas ruas divertindo,
alegrando, cantando, festejando, protestando...

Foliões politizados, bêbados, crianças,
velhos, senhoras dona de casa
seguem o bloco embalados pelo
pulsar de bateria

Os flashs fotográficos
abrem caminho sobre o tempo
registrando a existência tocada
por surdos, caixas, repiques e tamborins

O repicar de mestre de bateria replica
no crer do realizável e na prática do possível.

Em dias assim o bloco sai pelas ruas
cantando o carnaval.

2 comentários:

Este comentário foi removido pelo autor.

Uma belíssima homenagem ao bloco, aos seus integrantes e aos morados da Maré.
Parabéns pela sensibilidade poética.

Estão por aqui