26 de abril de 2010

Violência no cotidiano da Maré


Manhã do dia 14 de abril de 2009, meu telefone tocou, na linha o Naldinho, com a voz embargada me contava os primeiros detalhes, segundo ele moradores da Baixa do Sapateiro estavam indignados com a morte de Felipe, um jovem de 17 anos morador da comunidade. Segundo os moradores o jovem foi atingido por um tiro de fuzil disparado por um policial. Quando recebi o primeiro telefonema ainda estava na UERJ, estava em aula. A segunda vez em que o telefone tocou já se aproximava do meio dia, eu estava chegando na Maré e pelo que o Naldinho me relatou a situação ainda estava tensa, os moradores havia fechado a Linha Vermelha em protesto:
.
 Imagens do dia 14 de abril

A terceira vez em que falei com o Naldinho eu já estava na Maré, foi eu quem liguei para ele, neste momento já se aproximava das 14 horas,  o Naldinho me disse que a situação estava mais calma, então resolvi não ir ao local, Linha Vermelha. Mas logo em seguida o Naldinho volta a me ligar e diz que a situção  voltou a ficar tensa. Resolvi que iria ao local, na verdade o Naldinho insistia para que eu fosse porque ele estava fotógrafando sozinho e talvez se tivesse mais alguém, talvez fosse mais seguro. No caminho encontrei muita polícia, na Avenida Brasil e nas entradas da comunidade.

Cheguei na Linha Vermelha, e lá encontrei o Naldinho. Tudo já estava se normalizando, os moradores já estavam todos dispersos, mas ainda tinha muita polícia, tanto por terra como também pelo ar em um helicóptero.

Enquanto isso o Globo online dizia:

"RIO - A pista sentido Centro da Linha Vermelha, na altura da Favela Baixa do Sapateiro, ficou fechada por cerca de dez minutos, por volta de 14h30m desta terça-feira, devido a um protesto de moradores da comunidade. Eles reclamaram da morte do jovem Felipe dos Santos Correa de Lima, de 17 anos, atingido na cabeça durante uma troca de tiros com policiais do 22 BPM (Maré). 

Familiares e amigos do rapaz alegam que ele era inocente e foi morto pela polícia. De acordo com moradores, o jovem Felipe dos Santos Correia Lima foi baleado na cabeça quando saía de casa para comprar suprimentos para a lanchonete do tio, onde trabalhava. 

Equipes do batalhão que foram à favela cumprir mandados de prisão dizem, no entanto, que o jovem estava junto com traficantes. Segundo o comandante do 22º BPM, Rogério Seixas, policiais do serviço reservado de seu batalhão foram até a favela para cumprir mandados de prisão. Ele contou que, na altura da Baixa do Sapateiro, foram avistados quatro bandidos e houve troca de tiros. Em seguida, os policiais encontraram o jovem baleado caído no chão.
Com ele, a polícia alega ter apreendido uma mochila com uma pistola, uma granada, munição, cocaína, maconha e crack. O rapaz morreu a caminho do Hospital Geral de Bonsucesso. 

Segundo o site G1, durante o protesto feito por moradores da Favela Baixa do Sapateiro, na Maré, no subúrbio do Rio, na Linha Vermelha, a polícia usou bombas de efeito moral para conter duas tentativas de fechamento da via. A informação foi passada pelo comandante do 22º BPM (Maré), coronel Rogério Seixas. 
De acordo com o G1, o major Heitor Henrique Rosa, responsável pelo patrulhamento, informou que a PM foi recebida a paus e pedras, mas conseguiu controlar a situação. Rosa informou também que o grupo que fazia o protesto era composto de 50 a cem menores de idade
Às 15h35m, a polícia reforçava o patrulhamento nas saídas da Baixa do Sapateiro, na Avenida Brasil e na Linha Vermelha, para evitar novas manifestações. O fechamento da pista deixou congestionados os dois sentidos da via expressa" 

Durante todo o dia os moradores, principalmente jovens amigos  de Felipe protestaram.

No dia seguinte, dia 15 no enterro:
.

Na volta do enterro os amigos de Felipe desceram na avenida Brasil e de forma pacífica exibiam cartazes denunciando o acontecido e mais uma vez foram reprimidos:
Imagens do dia 15

Ainda no dia 15 de abril o blog Foto e Jornalismo escrito por três jovens moradoras da Maré publicou o seguinte poste:

“Mais uma vítima da injusta segurança pública do Rio de Janeiro
Felipe, morador da Maré, morre com tiro na cabeça dado pela Polícia Civil

Por volta das 11h de hoje, (ontem) Felipe dos Santos Correia de Lima, de 17 anos, morador da Baixa do Sapateiro, Complexo da Maré, foi executado com um tiro na cabeça dado pela Polícia Civil, na Rua 17 de Fevereiro, rua em que morava. Segundo testemunhas, eram cinco policiais que chegaram na mais famosa blazer branca, carro já temido por todos da área.. Este carro percorre já há algum tempo, as ruas da favela.
Gilmara Francisco dos Santos, mãe de Felipe, ainda muito abalada pelo ocorrido, em lágrimas, conta como levaram seu filho para o hospital. “Isso é uma injustiça. Ele tinha acabado de acordar e saiu para a rua. Os policiais chegaram e atiraram nele. Na hora, não deixaram os moradores socorrer o menino, todo mundo queria socorrer, e eles não deixaram. Colocaram dentro do carro e foram embora, a tia dele conseguiu ir no carro. Quando ele chegou no Hospital Geral de Bonsucesso, ainda estava vivo, mas a polícia não deixou os médicos atendê-lo, ele ficou lá gemendo e não deixaram ele ser atendido”.
Felipe era estudante e trabalhava em uma lanchonete próxima a sua casa. Natália de Brito, também moradora do local, fala de sua revolta. “Eu estava na rua, indo para o trabalho, não teve tiroteio como estão afirmando, isso não é verdade. Isso é uma injustiça, eu sou contra essa política de segurança, o que existe é extermínio, a polícia vem e mata, é isso o que acontece. Isso é a banda podre da polícia, são todos corruptos. E nós moradores, queremos deixar bem claro que Felipe era trabalhador, vendia cachorro-quente, era estudante, todos gostavam dele, a prova disso é que todos os moradores foram em cima, todo mundo foi para a rua”. Ainda não foi confirmado o horário e local do enterro de Felipe. Moradores querem se organizar e protestarem no enterro”.

htinha.morena1 disse...

...isso foi puraa injustiçaa...

... eles matam na maior covardia o garoto era na dele trankilo naum usava drogas era amado e ainda vai continuarsendo amado por todoos essa é a policia q diz proteger agetnte aff...... eu ki naum quero uma proteção dessa pow...
 
           ass. thais amiga de felipi moradora da baixa do sapateiro”

Daiana disse...

Po nada a ver o que estão falando eu era amigah dele e ele naum usava drogas naum era trabalhador e estudava era um menino muito legal espero que tenha justiça essas policias ja entram atirando e nem quer saber quem queremos justiça..


felipe sales disse...

É ... láh se vai mais uma vítima !
Uma pessoa de beem ...
"Mais um filhO di Dn.Maria qê mora dentrO da Favela.. qê mora dentrO de uma favela...
e a mídia mata ele comO se fosse uma marginaL "
Td é política ... A mádia nãO pode sujaR os cara fardados qê "protejem a sociedade" ...
Se é na Zona Sul rápidO averiam resultadO de qê a vítima era de Bem ...
Mais como é na Favela !
LogO apreçe flagrantes , Cocaína,Maconha,Crack,Pistola e até uma granada ?
De onde saiu issO ?
Eu me perguntO ...
Áh clarO da CorrupçãO deles néh !
nãO é a primeira vez qê issO aconteçe e nem vai ser a ultima !

... Chegam debochandO no HospitaL GeraL de BonsucessO ..RindO como se tivesse matadO um animaL ...
é esse é o País qê moramos ..
O país de qêm tem o poder .. pode ser DESUMANO ..
é CuidadO gentee daqui a poucO pode ser algun de v6 ...

raiane disse...

... eu sou prima dele,considerada como irmã p. ele, dá odio,angustia em saber que ele se foi sem motivos nenhun, ele não tem nada aver com oque esses policias estão falando, sem motivos fizeram isso com ele...

...quem conhece ele sabe oque ele é, oque ele já foi, oque ele fazia. Espero que a justiça seja feita...

aaaaaaaaaaaaah, cade os policias que nus proteje ?, cade , cade ? não proteje agt, so dá mais medos p. nois, só da mais ensegurança,mais pavor p. viver, eles mata as pessoas & não que nen saber, fala coisas tem ter o porque nada aver .. tudo que eles estão falando é mentira, QUEREMOS JUSTIIIIÇA .

Taina disse...

Meu irmão se foi, deixando muitas e muitas saudades :'( . como doi saber que amanhã eu vou acordar e não vou ver mais voce , não vou ver mais o seu sorriso maravilhoso aqui pra me alegrar...

Mataram voce injustamente , ainda esses fdp desses policiais ficam falando que voce era bandido , voce era um garoto que não tinha vicios , não tinha envolvimento com nenhum tipo de tráfico .

No dia 21 de abril vizinhos, amigos e representantes de diversas instituições da Maré e do Rio realizaram uma manifestação que levou por volta de 200 pessoas para as ruas da comunidade:
Imagens do dia 21 de abril

O clima era de tenção devido a postura da polícia nas tentativas de manifestações na semana anterior.

Os 200 manifestantes andaram por ruas do Morro do Timbau,
por ruas da Baixa do Sapateiro,
Avenida Brasil,
.
finalizado o protesto no local em que Felipe foi morto,
na rua 17 de fervereiro na comunidade Baixa do Sapateiro.
_________________________________________________________
Gilmara, mãe de Felipe conta detalhes daquele dia
_________________________________________________________
Imagens de arquivo da família de Felipe

_________________________________________________________
Casos de mortes de crianças e jovens na Maré nos últimos 4 anos

Caso 1
Renan, 3 anos, morto com um tiro na barriga no dia 1 de outubro de 2006 na comunidade Nova Holanda.

Caso 2
Matheus, 8 anos, morto com um tiro de fuzil na cabeça no dia 4 de dezembro de 2008.

Caso 3
Felipe, 17 anos, morto com um tiro de fuzil na cabeça no dia 14 de abril de 2009

Caso 4
Luan Victor, 13 anos, morto com um tiro de fuzil no peito no dia 20 de abril de 2010 no Morro do Timbau.
_________________________________________________________
Créditos


Imagens:
Bira Carvalho, Ratão Diniz, Naldinho Lourenço, Francisco Valdean e imagens de arquivo da família de Felipe.

Textos:
Globo Online, Blog Foto e Jornalismo, Francisco Valdean e leitores do Blog Foto e Jornalismo

1 comentários:

Parabens pelo artigo-denuncia Valdean.

Além dos fatos na otica de uma morador é um artigo que fala do mais importante, a vida.
Não é só mais uma estatistica misturada a tantos outras, frias...de uma violência que que tira a vida e a dignidade das pessoas.

Fala de alguém que tinha uma história, uma família e sonhos...e quandos outros que virarão somente estatistica ou indices.

Como nas épocas das grandes guerras mundiais em que quem salva uma pessoa salva o mundo. Você revelou que as injustiças não merecem ser esquecidas como o ultimo capítulo da novela das seis. Devemos lembrar e atuar, sempre, contra quaisquer tipos de injustiças.

O mundo depende disso...para continuarmos a ser seres humanos...

Abraço, Amigo e continue sempre assim...indignado com as injusticas e agindo para modificar esta situação.

Estão por aqui