10 de abril de 2010

Primeiro poste do Blog O Cotidiano


Há três anos rascunho neste blog, de principio não conhecia nada do mundo dos blogs, mas comecei a me interessar e então pesquisando pela internet cheguei até alguns postes que falavam sobre blogs. Em seguida a essas informações tive a ideia de criar uma página. Na busca de entender como criar uma página e onde criar cai na página do blogger, e como me pareceu muito fácil, em 3 passos o blog estava pronto, não tive dúvida. Me faltava agora o nome, o que me consumiu alguns dias, tudo certo, tinha certeza de que deveria se chamar Cotidiano.

Mãos a obra, mas esbarrei nos problemas, Cotidiano por ser muito comum já existia um registro. A saída era inscrever o blog com a url com o meu nome e o título podia ser Cotidiano, tudo OK. O passo seguinte, procurar um modelo legal e começar a rascunhar. Mas um problema surgiu a url com o meu nome já estava registrada, a solução era alterar as letras do meu nome para o blogger poder aceitar o registro, foi o que fiz.

A url ela era o meu nome e a tela do blog Cotidiano, só que com o tempo, fui vendo que a url tinha que ser o mesmo nome da tela, a mistura além de ser estranha dificulta os acesso. Na tentativa de uniformizar a url com o nome do blog, mais problemas, pois o cotidiano é muito comum e não dava para registrar em lugar nenhum. Por fim, a saída foi acrescentar no registro o artigo, assim era possível fazer o registro no sistema de registros .com.br. Foi assim que surgiu o blog O Cotidiano como é hoje.

Por que estou contando tudo isso?

Porque hoje dia 10 de abril de 2010 faz exatamente 3 anos que fiz a primeira postagem neste blog. A postagem se chamou Cultura na favela da Maré, ou seja, há exatamente três rascunhando nesta página.

_____________________________________________________________
Grupo de artista da Maré realizaram uma peça de teatro sobre a vida de cristo. A peça “A Paixão de Cristo” foi toda produzida pelos artistas da comunidade e apresentada no dia 6 de abril de 2007 na Lona Cultural da Maré (Lona Herbert Vianna).

O evento levou um público que poucas atividades no local conseguem atingir, crianças, idosos e jovens. Ao final da apresentação a emoção era notável tanto pelo público quanto pelos artistas.

Confira o poste Cultura na favela da Maré na Íntegra

0 comentários:

Estão por aqui