11 de março de 2011

Fotógrafo Tony Barros teve equipamento quebrado na Cidade de Deus.

Tony Barros é fotógrafo e morador da Cidade de Deus. Tony registra o cotidiano da Cidade de Deus há muitos anos. Segundo o fotógrafo no último dia de carnaval da comunidade ao registrar uma situação tensa entre moradores e policiais da (Unidade Pacificadora da Cidade de Deus /UPP) teve seu equipamento fotográfico quebrado por policiais.

Segue abaixo o relato do fotógrafo postado em sua página no site Viva Favela, site em que é colaborador.














  
______________________________________

Relato do Fotógrafo Tony Barros* 

O Carnaval da Cidade de Deus estava muito bom pra ser verdade, com várias apresentações de artistas da comunidade. Os moradores nem queriam sair da comunidade, muitas fantasias e muita alegria nos rostos do morador, mas no último dia aconteceu o inesperado. 

Às 4h da manhã o som do palco principal já havia sido desligado, mas na Rua Noé da CDD um som não queria terminar a festa. Quando a polícia foi pedir para que o som fosse desligado, ouve resistência e começou uma confusão. A polícia veio com tudo pra cima do som e das pessoas que ali estavam. Eu, Tony Barros, já estava saindo quando vi o tumulto de pessoas vindo em minha direção, e em seguida a polícia baixando a paulada nas pessoas. 

Fiquei encurralado registrando tudo que podia ver. Quando a polícia me viu registrando, veio na minha direção para tomar a câmera fotográfica. Eu já havia pedido a meu amigo que me desse apoio, pois tinha certeza que a polícia viria me tomar a câmera. Num instante, o policial se aproximou, já pegando a câmera. Eu me identifiquei, e nada adiantou: o policial meteu a mão em minha câmera e puxava. Falei para meu amigo deixar eles levarem a câmera, que eu pegaria depois, mas isso não era garantia de nada, pois os policiais estavam com raiva.

Não fui agredido porque meu amigo se identificou como militar, o policial me largou, mas a câmera já havia sido quebrada. Fui em direção ao comandante, que naquele momento era um sargento. Ele veio do meio da guerra - que era de morador contra polícia - dizendo que eu estava contra ele. Eu disse que estava apto para registrar os fatos, também informei que o policial que estava ao lado dele havia quebrado minha câmera.
Ele disse que não poderia fazer nada, e então fui ao encontro do policial para falar sobre o equipamento que ele havia quebrado, ele disse pra mim que deveria provar que foi ele. Eu disse pra ele que provaria, pois havia gravado tudo. No mesmo momento que estava ali reivindicando o material outros policiais chegavam como se tivesse vindo de uma partida de futebol, vibrando com os acontecimentos – “Viu o que eu fiz? Peguei aquele!”; “Quebrei tudo”. 

Eu, Tony Barros, saí dali desolado sem saber o que mais fazer. Depois só me restou pegar uma câmera de outra pessoa e fazer o registro de tudo quebrado, as cápsulas ao chão e tudo mais...

* Fonte
Site Viva Favela

0 comentários:

Estão por aqui