19 de outubro de 2011

Vila Autódromo num “domingo de chuva, gota d'água” e resistência


 Fotografia e texto de Adriana Medeiros* 


Dia 16, out. 2011. Silencioso domingo de chuva. Dia bom para ficar em casa e descansar com nossas famílias. Não. Moradores da comunidade Vila Autódromo - Barra da Tijuca, próximo ao autódromo e vizinho ao Rock In Rio - esperavam pela visita do secretário de habitação do município do Rio de Janeiro, Jorge Bittar. Sem dúvida um momento histórico.

Nos seus 40 anos de existência, Vila Autódromo - aproximados 1.000 moradores, cerca de 300 famílias - ,não possui posto de saúde, escola, calçamento, saneamento e o transporte é deficiente. Os únicos espaços de lazer - um campinho de futebol e um espaço com brinquedos - foram construídos pelo esforço dos próprios moradores. Nem sinal de poder público. Ao longo desses 40 anos. Nesse período sofreram sim pressão para saírem.

A chuva parou. Famílias saíram de seus lares. O poder público realmente compareceu. Mas ocupado em valorizar o investimento "Parque Olímpico". Remover essas famílias para o projeto "Parque Carioca", a 1km. da localidade.

O silêncio de domingo foi interrompido pelas vozes de vidas diárias de luta, de dor, esforço, abandono, mas também de conquistas. 40 anos de vidas diárias. A chuva pareceu conceder uma trégua para que transbordasse as gotas d'águas dessas vidas. Lembraram de toda a resistência de sua trajetória, da memória dos que faleceram nessa luta, dos sonhos de urbanização e de vida digna para os seus. Não sabemos ao certo qual gota d'água faz transbordar, mas uma história de luta e solidariedade não escorre como as águas. O humano é feito de outra natureza. Os lares também.

Quando afinal as vozes expressaram do que são feitos os lares e de que sonhos foram edificados nesse terreno que em breve valerá milhões no mercado imobiliário mais caro do Brasil; e o secretário de habitação mostrou a proposta do Parque Carioca; o encontro foi finalizado. A prefeitura seguiu com seu projeto e as famílias com a luta por seus direitos.

Tive a oportunidade de presenciar essa lição de vida e de dignidade - não abandonem seus lares, não esqueçam sua história. Com toda a dor, alegria, beleza, solidariedade de que são feitas as lutas justas e as vidas.

Agradeço a essa comunidade e sua Associação de moradores, a hospitalidade que me permitiu começar esse trabalho; a lição de vida, que compartilho com vcs e a motivação que me atingiu em cheio!

_____________________

* Adriana Medeiros é fotógrafa

1 comentários:

Essa comunidade é uma lição de vida e de DEMOCRACIA, lutando por questões que obviamente já deveriam está sacramentada que é sua permanência por está titulada e ligitimada por 2 governadores, dando títulos de posse. Se vê agora lutando por questões que todo mundo sabe que é a ganância,(especulação imobiliária) o derrespeito, troca de favores e o abuso de poder, com um governo omisso e conivente onde deveria está do lado do povo, quando governadores que estiveram em seu lugar doaram aquela terra para os moradores co títulos de posse. Queremos tornar público nossa agonia e sofrimento que através de um governo socialista e de ditadura inrrustida, caminharemos firme na nossa luta pelas nossas casas, porque não achamos justos só porque a terra ficou hiper valorizada termos que ser expulsos para lugares distante que, quando lá a terra estiver hiper valorizada no futuro nossos filhos e netos irão sofrer tudo isso de novo com outros burgueses socialistas. Temos que dar um basta nisso agora!

Estão por aqui